The Workplace

Análise de mercado para quem respira mercado.

O sucesso do modelo híbrido depende das lideranças e de uma gestão de people eficiente

The workplace: O sucesso do modelo híbrido depende das lideranças e de uma gestão de people eficiente

Implantar o modelo híbrido de trabalho parece simples mas requer planejamento, monitoramento do engajamento dos colaboradores, orquestração de todas as lideranças da empresa e uma gestão muito eficiente centrada em pessoas.

Os líderes precisam entender o perfil de cada time, assim como dos colaboradores, suas preferências e reais necessidades. Além disso, é mandatório entender também que os problemas ou questões do workplace não são resolvidos apenas com apps de agendamento – que acabam gerando mais desgaste nas pessoas quando apenas limitados ao app em si.

O híbrido exige uma visão diferente sobre gestão de workplace. A partir de agora, mais do que nunca,

o papel do RH é de suma importância para manter a equipe engajada e a dinâmica funcionando perfeitamente,

sem impactar no engajamento das pessoas, e sim para proporcionar a melhor experiência possível para todos os funcionários, principalmente nos dias de trabalho no escritório.

A pesquisa “Protegendo o Futuro do Trabalho”, realizada pela Kaspersky, apontou que 53% dos profissionais brasileiros consideram mudar de emprego nos próximos 12 meses, enquanto a média global é 35%. Dentre os principais motivadores para a mudança na carreira dos brasileiros estão o equilíbrio justo entre a vida pessoal e profissional (50%) e o desejo de receber salário mais alto (49%). Isso porque a pandemia permitiu que esses profissionais passassem mais tempo com a família, além de buscar novos interesses pessoais e descobrir novos hobbies.

Diante dos dados, como reverter esse índice altíssimo de mudança de emprego? Esta missão está nas mãos do RH, das lideranças e da gestão de people. A jornada dos colaboradores só será satisfatória se todos estiverem atentos e promoverem ações para reter seus talentos.

Lembre-se de que as pessoas estão vivendo uma realidade de 100% home office e a transição para o híbrido precisa ser bem planejada para acontecer de maneira leve, espontânea e agradável.

O fato das organizações tomarem a decisão de retornar ao presencial não deve gerar desengajamento. Tudo depende da maneira como é conduzido, comunicado e colocado em prática. Estude seu time, analise o melhor modelo que proporcionará satisfação para todos e coloque-o em prática – sempre, claro, alinhado com os objetivos e dinâmica da companhia.

Mostre que a empresa se preocupa com a saúde e bem-estar de cada pessoa que compõe a equipe. Implemente, também, tecnologias que ajudarão na gestão de uso dos escritórios para ter, diariamente, os dados corretos que mostrarão como as pessoas utilizam o local e, a partir dessas informações, promova mudanças e ajustes visando sempre a melhoria da experiência das pessoas que usufruem do workplace.

Então, para já desenhar o retorno gradual aos escritórios, alinhe os objetivos do negócio e de RH com os demais líderes de sua companhia e comece planejando minuciosamente esta volta. Os detalhes fazem toda a diferença.

Deixe um Comentário